Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

O fim-de-semana não é suficiente para descansarem?! Saibam o que pode andar a faltar!

31.07.15 | Vera Dias Pinheiro
O fim-de-semana está mesmo aí à porta. Estão a chegar os dois dias pelos quais sonhamos a semana inteira, porém são também os dias que passam mais rápido, tão rápido que, por vezes, mal damos por eles. Frequentemente nos lamentamos como seria bom haver um dia entre o sábado e o domingo, mas como isso é ainda mais dificil de acontecer do que adivinhar a chave do euromilhões, aquilo que está ao nosso alcance é encontrar formas para melhor aproveitar o fim-de-semana e conseguir chegar à segunda-feira com a sensação que conseguimos descansar e que tivemos tempo para muita das coisas que gostamos de fazer.
Connosco, o fim-de-semana tem dois momentos: no sábado começamos logo cedo com a natação do Vicente, o que não nos permite sentir o prazer de acordar sem a pressa de tomar pequeno-almoços e de sair da casa; ao domingo, por sua vez, tentamos mesmo abrandar o ritmo e até temos optado por não marcar nada que nos obrigue a andar a correr de um lado para o outro. Agora com o bom tempo, até temos aproveitado esse dia para ir à praia.

Mas será que há alguma coisa que se possa realmente fazer para conseguir que o fim-de-semana pareça maior?! Sim, existe! Com pequenos truques, pode ser possível tirar um maior partido do sábado e do domingo. Ora vejam só:

1. Criar um ritual de início:
Assinalar a passagem do tempo e a mudança de ritmos com pequenos rituais é muito importante. O nosso corpo e a nossa mente precisam fazer essa transição e precisam desligar o botão da semana, do stress e da correria, para ligar o do relaxamento e da descontração.
Para tal, basta, por exemplo, hoje à noite comprar o jantar já pronto (e que seja algo do agrado de todos), podem comprar flores; dar um passeio, passar numa loja, ir com os filhos ao jardim, antes de ir para casa; ou, simplesmente, deixar os miúdos irem para a cama, acender uma vela e pegar num copo de vinho e aproveitar para namorar!

2. Reservar tempo para fazer aquilo que se gosta:
Seja em família, seja tirando um bocadinho para vocês mesmos, é fundamental haver um momento do vosso fim-de-semana em que estão a fazer alguma coisa que realmente vos dê prazer. 
Não se esqueçam que tirar da cabeça as preocupações da semana, abre espaço para as coisas que mais gostamos. Aproveitem!

3. Mexam-se!!!!
O exercício físico contribui para a nossa boa disposição e aumenta a nossa vitalidade. Não precisam ir ao ginásio, se não gostam, podem simplesmente aproveitar para dar aquela caminhada mais longa, que andam a adiar por falta de tempo.

4. Façam a lista das tarefas que têm que fazer durante estes dois dias... e cortem-na pela metade!
É natural, que se aproveite o fim-de-semana para conseguir fazer a mil coisinhas que vamos adiando e que não conseguimos tratar durante a semana, por falta de horário, de tempo ou de paciência. Porém, reservem-se a pensar apenas nas coisas que realmente são importantes e urgentes. E serão apenas essas que vão resolver. 




5. Substituam cada tarefa cortada (da lista anterior) por um programa divertido:
Hoje em dia, a oferta cultural é cada vez maior e existem igualmente, cada vez mais eventos gratuitos. Não há desculpas!

6. Prefiram os espaços abertos:
Devem variar os ambientes para que o fim-de-semana não acabe por se tornar numa extensão do clima da semana. Por exemplo, se passam a semana em espaço fechados, com ar condicionado ligaram, devem procurar precisamente o oposto neste dois dias.

7. Acordem, no máximo, uma hora depois do vosso horário normal:
Bom, esta aqui, só vale para ou não tem filhos ou para quem tem filhos que gostam de dormir. Cá por casa, se conseguíssemos dormir nem que fossem 15 minutos a mais, já seria o suficiente para batermos palminhas de alegria e até para acender uma vela a agradecer!

8. Tornem o serão de domingo numa momento divertido e agradável:
À semelhança do ritual de início, devem criar uma espécie de hábito para o fim. De preferência que seja um programa leve e descontraído para relaxarem e recebem a segunda feira com um pouco menos de mau humor!


E agora, depois destas dicas, só posso desejar a cada um de vocês, um ÓPTIMO FIM-DE-SEMANA!</p>

As viagens dos Vs | Os melhores Spa do mundo

31.07.15 | Vera Dias Pinheiro
Devia ser permitido podermos tirar uns dias de férias da família, dos filhos, das responsabilidades, das exigências, da pressão... Devia fazer parte dos direitos de sermos pais e mulher/homem de... ter uns dias de retiro, de isolamento para conseguir alinhar os chakras - como costumo dizer - pois, isso iria reflectir-se numa melhoria significativa do ambiente familiar.
Já pensaram que quando discutimos mais em casa, quando nos enervamos e quando nos "sai a tampa" com mais facilidade, isso acontece, mais vezes, em momentos de maior tensão e de maior cansaço?

Em bom rigor, não existe uma pausa/um reset no seu verdadeiro sentido: se estamos de férias do trabalho, o trabalho em casa aumenta; se os filhos estão de férias, aumentam a exigências como pais e a nossa disponibilidade para passar mais tempo de qualidade com os nossos "mais-que-tudo"; se estamos no trabalho, tentamos compensar e dar o litro e, por isso, trabalhamos mais e mais horas... e nós, onde ficamos no meio de tudo isto?!

Num dos dias em que tudo isto me passava pela cabeça, num dos dias onde a minha vontade era a de poder simplesmente colocar um placa a dizer: "A mãe foi dar uma volta! Virem-se sozinhos!", que me cruzei com um artigo com o seguinte título: "Rejuvenescer por dentro - Os melhores Spa do Mundo". E, imediatamente, os meus pensamentos foram para como seria maravilhoso passar um dia (quem diz um, diz dois dias) num daqueles sítios magníficos  que estavam a passar a frente dos meus olhos, mas SOZINHA. Quer dizer, se fosse muito, muito longe, teria que pensar numa forma de tê-los sob o meu controlo! 

Atenção: não vi preços e nem quero ver, o objectivo aqui era simplesmente sonhar.


O seu programa Longevity Active Detox é o ideal para fugir do stress e das preocupações diárias, desfrutando de tratamentos que reequilibram o organismo e rejuvenescem.




Conhecido pela sua sumptuosidade, pelo seu jardim de oito mil hectares, pelo seu serviço de excelência e por ter sido a segunda casa de Winston Churchill. O spa tem 2.500 m2 e dispõe de um vasto menu de tratamentos e elixires de texturas raras e mágicas.
Tem ainda a grande vantagem do site ter um música tão relaxante, que se fechar os olhos consegue transportar-me para um ambiente zen. Quando preciso concentrar-me ao computador, abro uma janela com este endereço e deixo a música tocar infinitamente e é tão bom. Experimentem!




É o primeiro spa de vinoterapia. Os cuidados aqui usados aliam as virtudes da água da fonte, naturalmente quente, rica em minerais e em oligoelementos, retirada de um poço com 540m de profundidade, às mais recentes descobertas científicas sobre os benefícios da vinha e da uva.





Este hotel, situado na zona alta do centro histórico de Vila Nova de Gaia, é considerado um marco único e distintivo no mundo dos Hotéis de Luxo. O seu restaurante, dirigido pelo Chefe Ricardo Costa, foi distinguido com uma estrela Michellin.





4. L'And Vineyards (Montemor-o-novo, Alentejo, Portugal)

Localizado no coração do Alentejo, numa paisagem única definida pela vinha e por um grande lago, o L'And Wineyards é um "wine resort" exclusivo. Permite que os seus clientes durmam sob as estrelas, graças à tecnologia que permite que o tecto de cada quarto recolha e os hóspedes possam dormir debaixo do céu estrelado do Alentejo (deixou-me curiosa).






5. Banyan Tree Spa Phuket (Tailândia)

É o primeiro no conceito de spa num jardim tropical e recorre a terapias asiáticas de abordagem holística e espiritual para a harmonia mental e física.





Pronto, agora é só escolher. Qual preferem? Para mim, com o meu fascínio pela Tailândia, penso que escolheria o Banyan Tree Spa Phuket.
Mas, se entretanto, se beliscarem e perceberem que não foram para lado nenhum, pelo menos, o fim-de-semana está aí à porta e vão poder fazer alguma coisa de diferente. Aproveitem!

Ser mãe aumenta a responsabilidade...

30.07.15 | Vera Dias Pinheiro
Ser mãe aumenta a nossa responsabilidade perante a forma como encaramos a nossa vida. Ser mãe é a prova de crescimento mais profundo que eu conheço. Ser mãe confere capacidades que desconhecíamos. Descobrimos talentos, desenvolvemos habilidades e, quando menos se espera, o impossível fica feito! Nem sempre esse impossível sai da forma como desejamos, aprendemos a fazer as coisas da forma que dá para fazer na altura e sempre de acordo com as urgências.
A maternidade pode ser um enorme desafio para as mais perfeccionista, uma tortura para as mais controladoras e uma grande dificuldade para as que prezam a sua liberdade. Mas a verdade é apenas uma - e é aquela que já estamos todos fartos de ouvir - o amor compensa TUDO! 
Quando temos filhos, o nosso corpo adopta um modo de estar - o "modo mãe" - que é o mesmo que dizer que nos habituamos a um trabalho eterno. Há sempre alguma coisa para fazer e mesmo que nos custe e que o cansaço seja grande, damos um jeito e, no final, aparece tudo feito. Assim, visto de fora, até pode parecer que não se faz nada de especial, no entanto, garanto-vos este período de mãe a tempo inteiro tem sido muito desgastante, eu tenho a perfeita noção de que trabalho mais horas do que quando tinha o meu emprego normal (e do que quando era dona e senhora do meu tempo).
E, depois, ser mãe é desenvolver também uma capacidade própria de nos sentirmos culpadas. Sentimo-nos culpadas quando achamos que não estamos a ter o comportamento que devíamos e que é esperado que uma mãe tenha sempre. Eu sinto-me culpada quando, uma ou outra vez, me sai um grito que não devia, quando me falta a paciência para me sentar a brincar com o Vicente (sobretudo nos dias em que há jantar para fazer, roupa para estender, coisas para arrumar, que não quero que fiquem para o fim de tudo, pois já sei que vou acabar por me deitar tarde e que não vou conseguir descansar) ou, como quando me faltam as forças para ir ao jardim ou ao parque, como ele me pede TODOS os dias a seguir à escola.
Contudo, também é verdade que, por esta altura do ano, já devíamos estar de férias, já devíamos ter quebrado a rotina e a monotonia do dia-a-dia, já devíamos ter carregado baterias - ao invés de estarmos saturados uns dos outros - mas, este ano, férias só no final do mês de Agosto (e acabam por ser praticamente as únicas férias que temos).
Mas ser mãe pode (e deve) ser poder assumir para si mesma e perante a sociedade que não é sinónimo de conseguir dar conta de tudo! Há sempre uma parte que vai sair prejudicada: os filhos, a casa, o marido, a nossa profissão ou nós próprias. Ou, então, acabam por ficar afectados um pouco de todos eles. Na minha opinião, se partíssemos deste princípio, talvez deixássemos de andar tão sobrecarregadas com a pressão de não falhar ou de não sermos sempre o exemplo que idealizamos dever ser!

Blogs de Moda | Nova parceria

29.07.15 | Vera Dias Pinheiro
As viagens do Vs faz finalmente (e oficialmente) parte do Blogs de Moda. Sim, são boas notícias e notícias que nos deixam muito felizes. Andávamos com o convite pendente a algum tempo, porém como já tive oportunidade de vos dizer, comigo as coisas não vão acontecendo... elas acontecem todas de uma só vez (e ainda estou a aprender a conseguir dar resposta a tudo sem deixar nada para trás...).

Mas vamos ao que interessa, Blogs de Moda é um site onde se encontram reunidos vários blogues e mil assuntos diferentes, desde artigos relacionados com moda (naturalmente), mas também sobre life&style, receitas e muitas outras coisas.
Por um lado, e para quem acompanha com regularidade blogues, é óptimo, pois ficam com a vida facilitada: numa só página, encontram reunidos vários blogues e muitos post, sobre muitas coisas. Deste modo, evitam perder tempo a pesquisar um por um. Por outro, para os bloggers, é uma excelente ferramenta de ajuda na divulgação do seu trabalho.

No entanto, falar do Blogs de Moda, sem fazer uma referência a Web Design VIP não seria justo, uma vez que são eles que tornam tudo isto possível. É ali que estão reunidos os criativos responsáveis pelo design e pelas funcionalidades deste site.
A Web Design VIP é uma agência dedicada a criar soluções baseadas na criatividade, com base em plataformas on-line fiáveis, cujo principal objectivo é criar valor aos negócios dos seus clientes.

Por tudo isto, só podemos mesmo estar gratos por esta oportunidade!






Novidades Uriage [Agora a pensar em nós]

29.07.15 | Vera Dias Pinheiro
     

Que sou fã da marca Uriage para os cuidados dos bebés e das crianças, já vocês sabem, mas o que podem não saber ainda, é que eu estou cada vez mais fã dos produtos desta marca também para mim. Inicialmente, eu tinha os meus produtos de eleição e a Uriage era exclusiva para para o Vicente. No entanto, com a necessidade de fazer uma mudança nas marcas habituais e com alguns produtos  a acabar, comparei preços e resolvi dar uma oportunidade. E chego à conclusão que, de facto, a Uriage é uma marca para toda a família, que privilegia, acima de tudo, o conforto, a suavidade e os momentos de prazer, características que se sentem aquando a sua utilização.

Desde que me habituei às Águas Micelares, que já não quero outra coisa. Para quem não sabe, este é o único produto que, pelas suas propriedades, dispensa o uso do desmaquilhante e do tónico, deixando a nossa pele mais bonita e saudável. Aproveitei, então, que a que estava a usar tinha terminado para dar uma oportunidade à da Uriage, que tinha lançado à pouco tempo, no mercado, as suas próprias águas micelares. E se querem saber, estou mesmo satisfeita, porque deixa-me com a sensação de pele realmente limpa, com o máximo conforto e sem colar.

A Uriage dispõe de três tipo diferentes de Água Termal Micelar: peles mistas e oleosas; pele sujeita a vermellhidão e pele normal a seca, respectivamente. 



De acordo com a marca, a Água Termal Micelar é ideal para remover a maquilhagem de todos os tipos de pele, graças às propriedades únicas da Água Termal de Uriage.

- Limpa e desmaquilha: Água Termal Micelar com tensioativos suaves não iónicos remove suavemente a maquilhagem e impurezas.

- Purifica: Enriquecida com extrato de Maçã Verde e Pore Refinyl, tem um efeito seborrerulador e matificante.

- Previne da secura cutânea: Enriquecida com Água Termal de Uriage hidratante.


Higiene Corporal da pele Sensível

Mas existem mais novidades no mercado, a Uriage andou a inovar e apresenta novas versões do seu Creme lavante e do seu Óleo de Limpeza, como resposta às exigências da nossa pele e aos cuidados de higiene diária que devemos devemos ter. Pois, não devemos esquecer que a higiene é um cuidado diário indispensável para a manutenção de uma pele saudável e para a prevenção das alterações cutâneas.

Sendo assim, apresento-vos os novos Creme Lavante e o Óleo de Limpeza:

Creme Lavante apresenta uma nova textura, uma nova imagem, é mais cremoso e mais suave. Oferece à nossa pele mais conforto, mantendo o mesmo perfume a que a marca já nos habituou e que tanto a caracteriza.

Tubo 200ml - PVP 12,90
Frasco 500ml - PVP 16,91
Frasco 1000ml - PVP 20.91
Características: 
Oferece nutrição e hidratação optimizada à pele;
Concebido com Água Termal de Uriage e 1/3 de leite nutritivo, limpa e hidrata a pele em suavidade e com a máxima eficácia;
É um autêntico cuidado 2 em 1, indicado para toda a família.


O Óleo Lavante, por sua vez, apresenta uma textura em óleo gelificado para uma higiene protectora da pele sensível.
Frasco 400ml - PVP 16,91 
Características:
Com a textura em óleo gelificado, deixa um película protectora à superfície da pele;
Protege a pele do efeito secante da água e oferece um maior conforto;       
Ideal para a higiene diária: deixa a pele limpa, hidratada, com um perfume muito agradável.


Toda a gama para os cuidados de higiene diária:



Não sei como é que fazem por aí quando se trata dos produtos de higiene, mas, por cá, tentamos que exista algum equilíbrio e obviamente que há sempre a prioridade - o Vicente - e, tanto eu como o senhor meu marido, vamo-nos adaptando. E é verdade que, grande parte do orçamento familiar vai para este tipo de produtos e, por azar, sempre que um produto chega ao fim, há mais uns quantos que também terminam. Concordam, certo? 
Por isso, o equilíbrio que tento fazer é alternar: um produto de uma gama superior com outro mais económico ou, então, se compro um mais caro agora, na vez seguinte, opto por um mais barato, muitas vezes de supermercado, onde existem marcas muitos boas, só temos que saber escolher. 


Lanches e snacks: os truques para que sejam saudáveis!

27.07.15 | Vera Dias Pinheiro
Arriscaria dizer que a preocupação maior dos pais, no que respeita à alimentação infantil, está nas principais refeições: pequeno-almoço, almoço e jantar. Preocupamo-nos em manter algumas rotinas: que as crianças comam, mais ou menos, às mesmas horas; em tornar essas refeições ricas em termos nutricionais, etc.
Mas, depois, existem os lanches, aqueles "reforços" a meio da manhã e a meio da tarde, que não são prejudiciais às crianças e que não as impedem de comer na refeição principal seguinte, se estivermos atentos às quantidades. O mesmo princípio de que um adulto deve fazer várias refeições ao longo do dia, evitando comer grandes quantidade de uma só vez, é válido para os mais pequenos. 

Porém, é aqui que mais vacilamos, na hora de compor esse snack, que deve ser igualmente pensado ao nível da qualidade e dos nutrientes. Muitas vezes, o que acontece é colocarmos a praticidade e a facilidade acima de tudo e deixamos de nos preocupar tanto que, em vez de um pão branco, devíamos optar por um pão escuro ou integral, que os sumos industrializados estão cheios de açúcar e que as bolachas não servem para saciar. Para além disso, a grande maioria dos produtos industrializados está carregado de gorduras e de sal, duas coisas desaconselhadas para o desenvolvimentos das crianças.

No fundo, esses lanches deviam ser uma extensão daquilo que é o dia-a-dia em casa, daquilo que é o exemplo que vêem em casa. Por exemplo, a peça de fruta deve existir no lanche, não apenas porque faz bem e, por isso, "obrigamos" os nossos filhos a comer, mas sim porque é normal existir fruta em casa e é normal verem os seus pais a comer. 

No entanto, conciliar a rapidez/praticidade, com a qualidade e ainda fazer com que a criança aceite o que a mãe escolheu, pode não ser tarefa fácil. Vamos ver se as dicas que se seguem fazem sentido e se nos podem ajudar:

- arranjar um dia da semana em que é a criança a escolher o que prefere levar de lanche. De preferência que seja a meio da semana, para ficar com alguma distância do fim-de-semana, onde a tendência é haver alguns abusos e "extras" na alimentação;
- evitem a monotonia das refeições. Procurem variar o máximo possível as opções e as cores, de forma a que a criança sinta prazer e vontade de comer;
- coloquem sempre um peça de fruta na lancheira, mas deixem que a criança participe dessa escolha;
- perguntem sempre o que que lancham os amiguinhos na escola. Assim, vai ficar mais fácil identificar quando é que o vosso filho comeu alguma coisa de um amigo;
- além da fruta, deve haver uma opção de carbo-hidrato que são os responsáveis pela energia, preferindo sempre a versão integral;
- quando optarem pelos biscoitos ou bolachas, não devem colocar, na lancheira, o pacote inteiro, evitam que a criança passe da quantidade adequada;
- colocar sempre uma garrafinha de água na mochila, as crianças devem ser habituadas a beber água;
- os leites com chocolate possuem muita gordura e açúcar, evitem colocá-los todos os dias.
- atenção aos alimentos que se estragam com facilidade e que necessitam de estar a temperaturas mais frescas, como é o caso dos queijos e dos iogurtes. Evitem levá-los para fora de casa se não tiverem um saco térmico para os conservar.

Por aqui, os snacks do Vicente são sempre preparados com antecedência, antes de sairmos de casa. Onde quer que se vá, o lanche do Vicente vai atrás. Quando entrou para a creche e, quando me foi mostrada a ementa, nomeadamente a composição dos lanches, questionei se havia possibilidade de levar algumas coisas às quais o Vicente está habituado e não levantaram qualquer problema, muito pelo contrário. Deste modo, não conseguindo mudar tudo, consigo controlar algumas coisas, nomeadamente a questão do leite (cá em casa não bebemos leite de vaca) e as bolachas Maria (que foram substituídas pelas galetes de arroz e trigo). Obviamente, continuam as papas e os cereais carregados de açúcar, mas, nesses dias, em casa somos mais rigorosos com o que se come e com a excepções.



Por fim, não devemos esquecer que o hábito de comer coisas saudáveis deve ser criado desde cedo, usando, como já referi, o exemplo parental. Sendo que uma criança que se habitua comer doces, vai sempre preferir ter um chocolate ao lanche, da mesma forma que a criança que se habitua com os alimentos saudáveis não vai estranhar ao encontrar uma peça de fruta na lancheira.

Sugestão saudável dos Vs (receita enviada por uma amiga que nos conhece muito bem):

Biscoitos de Aveia e Laranja

Ingredientes:

100gr de flocos de aveia integral
150gr de farinha integral
80g de mel
Casca de meia laranja (sem a parte branca- mto importante)
60gr de sumo de laranja
20gr de azeite
1 pitada de sal


Preparação:

Pre aquecer o forno a 180º graus
Colocar no copo da Bimby os flocos de aveia, o mel e a casca de laranja - 20seg/vel9
Adicionar os restantes ingredientes - 20seg/vel 6
Colocar no saco de pasteleiro e dispor os montinhos em tabuleiro forrado com papel vegetal
Levar ao forno durante aproximadamente 10/12min.


 Atenção que, se a casca de laranja levar a parte branca, os biscoitos ficam com um travo amargo.


Bom Apetite!!!

Como envolver as crianças nas tarefas de casa

24.07.15 | Vera Dias Pinheiro
Um dos papéis mais importantes que os pais têm que desempenhar é o de saber/aprender a incentivar a independência dos seus filhos, à medida que vão crescendo. Adquirir essa independência é fundamental na construção da sua personalidade e nos adultos que serão no futuro.
Transferir alguma responsabilidade aos nossos filhos, de acordo com as suas idades, é importante, pois estamos a contribuir para que eles ganhem confiança em si mesmos e saibam cuidar de si. E, por muito que o nosso instinto seja o de protecção e o de protelar sempre um bocadinho mais essa independência (talvez por pensarmos que assim estamos a garantir ter "nosso bebé" por mais tempo), nenhuma mãe quer ter um filho crescido que não é capaz de se auto suficiente, que aos 40 anos ainda mande a roupa para nossa casa para lavarmos, que não saiba fazer um prato de comida ou a quem a sujidade e a desarrumação não incomoda.
Quando nascem, os bebés precisam de todas as atenções, precisam de cuidados 24h por dia: não se alimentam sozinhos (embora o instinto esteja lá), precisam que lhes mudem a fralda, que antecipem, por vezes, as suas necessidades, ou seja, precisam dos pais para tudo. Mas, ainda assim, à medida que vão crescendo um pouco e que vão ganhando alguma autonomia e confiança, a tendência é sempre para quererem começar a fazer as coisas sozinhos.
A partir dos dois anos, quando já são relativamente auto suficientes, as crianças começam a achar que conseguem mesmo fazer tudo sozinhas (incluindo as coisas mais bizarras, como levar um garrafão de 5L de água). Até mesmo quando estão a brincar, a nossa presença só é necessária para fazer companhia, porque se tentamos interferir com o que estão a fazer, gera-se um grande problema. Depois, tiram a fralda e, pronto, acabou-se a história do bebé em definitivo.
Por aqui, o que se ouve é: "Não, o Vicente faz!" E, mesmo que, com a pressa de alguns momentos e a saturação de outros, a vontade seja a de contrariar a sua vontade, porque ainda não sabe fazer as coisas bem e nós queremos despacharmos, a nossa atitude deve ser a inversa.
O Vicente quer fazer tudo: fazer a cama, tirar a louça da máquina, fazer as suas próprias compras de supermercado, lavar os dentes, limpar o rabinho depois de fazer cocó (sem nos deixar, de todo, ajudar), vestir-se sozinho, lavar-se com o chuveiro (e molhar a casa de banho toda) e a paciência (mais uma vez, a santa paciência) tem que reinar e temos que adoptar uma postura de encorajamento e de valorização pelo que está a fazer.

E é precisamente nesta fase que devemos aproveitar para começar a envolver os nossos filhos nas tarefas de casa. Por exemplo, o Vicente andava sempre com os talheres por todo o lado, quando eu começava a arrumar a loiça lavada. Foi, então, que decidi colocar, ao nível dele, os seus talheres, os babetes e os pratos e foi o melhor que podia ter feito. Agora é ele quem arruma a sua loiça e que a vai buscar quando é altura de comer. Estamos todos satisfeitos: ele porque ajuda e eu porque não ando atrás dele para lhe tirar as coisas. Já com outras, que não correm tão bem, aprendi que tenho que o deixar fazer a primeira vez e esperar que seja ele a pedir a minha ajuda e, desta forma, tudo corre bem. E, no final, ele vira-se para mim e diz: "Consegui, vistes?!"E, sobre este assunto, partilho com vocês um quadro que pode ajudar-nos a perceber por onde começar e o que é razoável esperar dos nossos filhos, de acordo com as suas idades:


Fonte aqui.
 
E, a verdade é que é também através de coisas tão simples como limpar o pó ou arrumar os sapatos, que as crianças estão a aprender o que é a responsabilidade, a organização e a entre ajuda. E, mesmo que, os mais pequenos "atrapalhem mais" do que ajudem, a nossa intenção deverá ser a de os mantermos envolvidos nessas tarefas.
 

Pág. 1/4