Dar importância aos sentimentos das mães

Precisava de estar mais descansada e mais relaxada para conseguir escrever sobre um sentimento que andava a assombrar os meus dias como mãe. Precisava de um par de noites mais bem dormidas para conseguir escrever com a distância necessária, sem me deixar levar pelo impacto destes últimos dez meses, sobre a evolução dos meus sentimentos em relação à amamentação - falar sem me sentir culpada.

Mas antes disso, faço-vos um parêntesis. Nunca experimentei nenhum tipo de tortura, mas digo-vos que a privação do sono, ao fim deste quase dez meses, fez-me passar por várias fases, em que me senti, muitas algumas vezes, à beira de um ataque de nervos, com instintos que não conhecia e com pensamentos dos quais não sinto orgulho nenhum! E não tenho vergonha em admiti-lo - não tenho agora.

E, no meio, no princípio e no fim de tudo isto, está a amamentação, que, de repente, vi passar da coisa mais maravilhosa do mundo para algo que me estava a dar sentimentos mistos. Estava a contribuir em grande parte para o meu estado mais depressivo e isso não estava a deixar-me feliz. Passou-me pela cabeça inúmeras vezes e se... for por causa disso que ela não dorme? O meu coração e o meu instinto, sabiam que não, mas eu estava demasiado cansada a todos os níveis, incluindo o físico. E porquê? Porquê tudo isto quando eu tinha chorado tanto quando tive que aceitar que o meu leite não era suficiente para o Vicente? Porquê, se superei todos os meus medos e incertezas em relação a este segundo filho? Porquê sentir tudo isto logo agora que estava tudo a correr tão bem? Porquê?!

Créditos Lovetography
Conseguimos os seis meses de aleitamento materno em exclusivo e, a partir daí, tudo o que viria seria bónus, entrava imediatamente para a categoria do "muito bom" e vejam só que hoje ainda cá andamos e não me parece que vá terminar em breve. Mas o tempo foi passando, ela foi crescendo e a intensidade da amamentação era vivida da mesma forma, com a mesma força e a mesma exigência de dia e de noite. Todos os dias! Sem outras distracções, era eu, eu e só eu! O fim do dia era terrível, era impossível conseguir distribuir a minha atenção para os dois e passar um dia com ela sozinha estava a ser massacrante. Não havia permissão para ir jantar fora, para sair de casa ao fim do dia, para me sentar no sofá, ver um pouco de televisão, escrever ou... não fazer nada! E os momentos em que colocava a Laura na mama estavam a ficar completamente desconectados da ligação especial que tínhamos construído.

Ela queria mamar e a mim não me apetecia dar!
Ela tinha sono e eu criava resistência a acudi-la com a "mama" para adormecê-la.
Em vez de duas horas na mama, passava cinco ou seis, se fosse preciso. Há falta de chucha, ter ali o consolo da mama à disposição, porque não?!
Cada mordidela, feria-me também a alma.

E paralelamente a tudo isto, haviam os outros pensamentos, aqueles me dizem que só faz sentido deixar de amamentar quando ela me der sinais de que não quer mais, porque eu não sou capaz de fazê-lo apenas por minha iniciativa; a sensação de me sentir uma parva porque tinha chorado baba e ranho por não ter amamentado o primeiro e, agora, estou com estas coisas quando está tudo a correr como é suposto correr, sem sobressaltos e de forma natural.

Contudo, a mais pura das verdades é que não estava a ser fácil lidar com tudo isto ao mesmo tempo e não melhorava se tentava partilhar com alguém. Cheguei a ouvir coisas tão ridículas, como sugerir colocar pimenta na mama (porque uma amiga de uma prima em terceiro grau de uma amiga também tinha uma filha assim e isso foi remédio santo) ou, então, sugerir terminar à força ou, pelo contrário, dizerem, que tinha que aguentar, porque há bebés que são assim.
Ouvir as opiniões dos extremos opostos não ajudava, afinal, eu só desejava uma coisa normal.

Mas, entretanto, as noites melhoraram, eu tenho dormido mais e isso deu-me uma nova visão, novamente mais calma e mais apaixonada por tudo isto. Porém, estes últimos meses fizeram bem, ajudaram-me a valorizar o que sinto, a dar a importância que merece, pois só assim saberemos agir quando for necessário ou pedir ajudar quando não estiver a dar mais. Ser mãe não pode ser sinónimo de aguentar "as dores" da maternidade caladas e de sorriso no rosto, e a montanha russa emocional parece que é uma coisa que nos vai acompanhar para a vida... o melhor é habituarmo-nos, nós e quem vive connosco.

Boa noite ❤


Outros desabafos sobre a amamentação aqui no blog:

6 sugestões para fazer com os bebés no fim-de-semana

actividades com bebés + música para bebés + workshops para bebé + pinturas para bebés + yoga para bebés + pumpkin mom and babies + pumpkin

É verdade que está muito frio e também é verdade que a resistência em sair de casa é grande, mesmo que os dias sejam de um Sol maravilhoso. Porém, a verdade é que os fins-de-semana estão quentes de animação e motivos não faltam para que levem os vossos bebés com vocês e se divirtam em família. Eu deixo-vos seis sugestões para os próximos dois dias, todas elas diferentes, todas elas bem aliciantes 😊
Posto isto, a minha sugestão é: enchem-se de coragem, agasalhem-se muito bem e aproveitem o fim-de-semana ao máximo!

Para tomar nota:

VAMOS PÔR A MÃO NA MASSA E FAZER PLASTICINA CASEIRA E COMESTÍVEL (+12 meses)  21 de Janeiro | Lisboa
21 de Janeiro | Lisboa
Para pais, avós, filhos e netos a partir dos 12 meses e sem limite de idade. Vamos fazer a nossa própria plasticina! Vamos misturar todos os ingredientes, escolher cores e amassar tudo muito bem!!! Depois, é brincar e dar largas à imaginação e criar o que nos apetecer com a ajuda do rolo da massa e de formas divertidas.


Workshop de Family YOGA  21 de Janeiro | LisboaWorkshop de Family YOGA

21 de Janeiro | Lisboa
O Family YOGA tem subjacente a adaptação de técnicas e posturas do Hatha Yoga tradicional à sua realidade multissensorial e corporal. Tornando-se numa experiência de partilha e vinculação entre pais e filhos, que alia o movimento, o som, o toque e o olhar entre ambos.


21 de Janeiro | Lisboa
Nos primeiros anos de vida, os bebés estão especialmente receptivos a absorver tudo o que os seus sentidos possam captar. Através de canções e jogos musicais, nesta actividade favorece-se o desenvolvimento da coordenação motora, cognitiva e linguística dos bebés, promovendo também o contacto com instrumentos musicais Orff.


Pinturas para Bebés e Crianças com Cheirinho a Inverno  22 de Janeiro | LisboaPinturas para Bebés e Crianças com Cheirinho a Inverno

22 de Janeiro | Lisboa
Vamos tornar o inverno mais divertido com aromas, cores e imaginação! Pintar com canela?? Gelatina?? Pois é, ficou curioso? Vamos aprender a fazer tintas diferentes, cheirosas e muito divertidas. Vamos pintar, sujar, misturar cores, materiais, ingredientes e criar não só obras de arte muito diferentes, mas também originais! Vamos fazer muitas obras lindas, coloridas e mágicas em família.





Atelier de Sabonetes | Quinta Pedagógica Armando Villar  22 de Janeiro | LisboaAtelier de Sabonetes | Quinta Pedagógica Armando Villar

22 de Janeiro | Lisboa
Surpreenda a sua família com uma tarde perfumada na Quinta Pedagógica Armando Villar. Neste atelier vamos produzir os nossos sabonetes em forma de animais da quinta que serão uma boa sugestão de presente para os familiares mais queridos. Toda a família é bem-vinda!


↠ Consultem todas as sugestões de actividades para este fim-de-semana um pouco por todo o país pesquisando na agenda PUMPKIN.





Informação powered by Pumpkin.pt


O que ficou por dizer em 2016 #2 | Nunca mais vão haver meias perdidas

De 2016, ficou também por partilhar uma das melhores invenções para o Homem mas que eu, mesmo sabendo da sua existência, ainda não tinha tido a sorte de conseguir arranjar uns exemplares cá para casa. 

Vá lá, mas antes de vos dizer o que é, partilhem comigo quais são os vossos maiores dramas na lida de casa? O que é que vos aborrece assim mesmo a sério? Aquilo com o qual não sabem como lidar? Aquilo que, havendo a possibilidade de usar uma varinha mágica para o fazer por vocês, não pensariam sequer duas vezes?! 

Eu vou começar por mim: não me importo de lavar a louça à mão, até gosto na verdade; arrumar a loiça na máquina de lavar também serve de terapia, pois o meu objectivo é sempre conseguir colocar mais loiça na próxima lavagem, mas tudo mega arrumado, mais ou menos como se fosse um tetris; arrumar, limpar, aspirar... também são coisas que se fazem. Mas se estivermos a falar de passar a ferro, aí as coisas já mudam de figura... e se estivermos a falar da praga das meias... ui, então aí é que as coisas mudam m-e-s-m-o de figura! 

E já nem vou falar do misterioso desaparecimento sistemático de várias meias e de ter o respectivo par guardado na esperança que um dia reapareçam - isso nunca volta a acontecer!! Falo-vos de todo o processo quando vão para lavar. No meu caso, eu prefiro ter o trabalho quando estou a estendê-las, altura em que as agrupo devidamente aos pares, estendo-as juntinhas e, depois de secas, é só apanhar e dobrar imediatamente. Visto desta forma, parece super prático e eficaz - e é, de facto. Mas multiplicando por três ou por quatro pessoas, é uma monotonia e um aborrecimento que me causa uma certa alergia.



Ora bem, estas peças em silicone, que vocês podem ver nas fotografias, de várias cores, foram concebidas para agrupar cuidadosamente os vários pares de meias, de forma a manterem-se sempre juntos durante todo o processo da lavagem e consequentemente, depois quando forem para secar. 
A SOCKBUSTER é uma marca portuguesa e, por isso, devemos estar cheios de orgulho em mais um projecto de empreendedorismo português. No site da marca (http://www.sockbuster.pt/p24-sockbuster-pt) têm tudo o que precisam saber sobre estas "molas", mas posso adiantar-vos que:
- não tinge a roupa;
- resiste a altas e a baixas temperaturas;
- de longa duração e flexível;
- e de fácil utilização - mega fácil mesmo!




Estas Sockbusters estão à venda online, mas também e em super e hipermercados. 

E, pronto, era esta maravilha que queria partilhar com vocês, quer partilhem do mesmo drama das meias em vossas casas ou não. Se não é o vosso caso, aposto que conhecem alguém que ia ficar tão feliz quanto eu, quando me apercebi para o que serviam.

Fica a minha dica desta semana para vocês.

Boa noite ❤


Ser mãe não pode servir de desculpa

O facto de ser mãe nunca me fez desistir de cuidar de mim ou servir de pretexto para me conformar com algumas coisas. 

A idade e a maturidade também tiveram a sua importância nesta minha maneira de estar. Fui mãe, pela primeira vez, pouco tempo antes de completar trinta anos e a vida saudável que eu achava que levava não tinha nada a ver com a que levo hoje em dia. Talvez por isso o pós parto do Vicente tenha sido revelador de uma série de coisas, que levaram muito - mas muito - tempo a ir ao lugar ou a que eu descobrisse como lhes dar a volta. 

Fisicamente, não tinha praticado desporto o suficiente antes e durante a gravidez - se bem que foi uma gravidez activa - para que, no pós-parto, eu resistisse ao impacto do aumento da massa gorda (necessária), a uma cesariana, a uma anestesia geral, aos apetites dos primeiros meses e também ao sedentarismo desses mesmos primeiros meses. Confesso que entrei mesmo em choque quando me vi ao espelho e, posso dizer que, levei dois anos para estar efectivamente bem novamente, se bem a barriga tenha ficado muito diferente. Felizmente, hoje em dia, já posso dizer que tenho muito orgulho nela e que já não tem qualquer comparação ao "antes", graças à maravilhosa Soraia Coelho, em conjunto com treinos regulares semanais no The Studio - optei treinar menos vezes e ter um acompanhamento mais personalizado e direccionado a mim.

A nível da pele, bom, esse foi outro choque. Costumo dizer que o primeiro filho trouxe-me as rugas e o segundo os cabelos brancos - e talvez, os brancos sejam mais difíceis de aceitar do que as rugas, mas adiante. Mas para além das rugas, foram as manchas, o tal melasma de grávida, algo que finge desaparecer no Inverno, mas que assim que surge um raio de Sol, volta a aparecer em todo o seu esplendor. 

Durante estes quatro anos foram muitas as experiências em relação a cremes, sem saber muito bem se devia pensar nas rugas ou, pelo contrário, se devia actuar nas manchas. Pelo caminho, descobri uma marca muito boa e com um excelente preço, a qual passei a usar diariamente ao longo de todo este tempo. Chama-se Martiderm, mas eu estava apenas a pensar nas rugas. Preocupava-me em usar um bom protector solar diariamente, durante os 365 dias do ano, para manter as manchas controladas. E só.

Com a gravidez da Laura, não quis facilitar e uma vez que ia colocar os meus cremes habituais de lado, devido a alguns dos seus componentes, descobri a linha anti-tache da Caudalie, maravilhosa e que usei praticamente durante toda a gravidez e que foi comigo na mala da maternidade.
Entretanto, eu acho que, como em tudo, a nossa pela também se habitua e passado quase um ano a usar os mesmos cremes, resolvi dar um descanso e foi, então, que descobri uma outra linha de produtos de uma outra marca também com o mesmo efeito: a Martiderm.


bonita todos os dias + martiderm + anti-manchas + despigmentação + manchas de rosto + melasma + dia de beauté + serum + protecção solar + gravidez + pós-parto + love +victoria ceridono + hm home

Sobre estes dois produtos:

DSP - Creme FPS 50+ (40ml)
Tratamento diurno e prevenção das hiperpigmentações do rosto, pescoço. braços e mãos de qualquer origem. ou natureza. 
Reduz as manchas e previne o seu aparecimento, ao mesmo tempo que protege eficazmente a pele graças ao seu elevado factor de protecção.

DSP-SERUM Iluminador
Despigmentante selectivo. Só actua onde há manchas, unificando o tom de pele.


bonita todos os dias + martiderm + anti-manchas + despigmentação + manchas de rosto + melasma + dia de beauté + serum + protecção solar + gravidez + pós-parto + love +victoria ceridono + hm home

Surpreendentemente, há muito mais na Martiderm para descobrir, mas à semelhança do que aconteceu com os produtos da marca que já tinha experimentado, tenho-me sentido muito bem com estes dois. Nota-se até na textura que fazem parte de um gama de tratamento específico. 

E esta tem sido a minha rotina de dia, ou, pelo menos, há que faço com mais regularidade e posso dizer-vos que tenho a pele muito mais bonita sem dúvida alguma: está muito mais uniforme e mais luminosa e, quando chegar o Verão, farei o derradeiro teste. Há noite, vocês já sabem que eu não prescindo dos óleos de rosto, pois eu acredito (porque o sinto) que revitalizem mesmo a nossa pele. E, por falar nisso, estou a preparar um post para vos mostrar todos aqueles que já experimentei e que uso habitualmente. 

Contudo, independentemente das marcas ou cremes, o mais importante mesmo é não nos deixarmos para segundo plano, pois, regra geral, é sempre mais fácil prevenir do que reagir; e é muito mais fácil actuar nos primeiros sinais, ao invés de deixarmos para mais tarde. É mais fácil para nós, a nível do nosso corpo e dos resultados que obtemos, mas não só: a nível financeiro também se torna mais suave. E é claro que, se a tudo isto, for possível associar a escolha de bons produtos, isso, então, seria o perfeito! 😊

Outros posts com produtos da Martiderm no blog:



bonita todos os dias + martiderm + anti-manchas + despigmentação + manchas de rosto + melasma + dia de beauté + serum + protecção solar + gravidez + pós-parto + love +victoria ceridono + hm home


Boa tarde ❤

Coisas que comprei e mais valia estar quieta

nesting + mala da maternidade + gravidez + parto + preparar a chegada do bebé + mala do bebé + fotografia de grávida + lovetography
Créditos da Fotografia Lovetography


1. Biberons
Do Vicente não comprei nem um, estava focadíssima na amamentação e, depois, tive que andar a correr atrás de um de emergência. O que vale é que o Vicente não estranhava nada, só queria era comer. 
Para a Laura, tenho quatro modelos diferentes, não porque não quisesse dar de mamar, mas porque queria estar preparada para o que fosse preciso, sem fundamentalismo. E todos eles, ela detesta, odeia e repugna. E, hoje em dia, se for preciso ela ainda crava as mãos em mim até conseguir o que quer - muitas vezes, sem fome. 

2. Chuchas
Mais uma vez, aqui o Vicente também não fui esquisito, embora tenha preferido as da marca Avent, por exemplo, em relação às da marca Chicco. Com a Laura nem com o Aero-Om me safei. basta ver a chucha que ainda chora mais. E eu já desisti. Não vou correr as farmácias e comprar todos os modelos diferentes que existem. Não gosta, não quer... eu respeito!

3. Berço
O maravilhoso berço Next2Me do qual toda a gente diz maravilhas e que uma amiga fez questão de me emprestar. Pois bem, dormiu lá duas semanas, se tanto... mas sobre este tema vocês já estão fartos de me ouvir falar. 

4. Barriga de Gesso
Sim, fiz a famosa barriguinha de gesso no final da gravidez do Vicente e agora não sei o que faça com aquilo. Está guardada num armário e acho que, se um dia quiser oferecer ao Vicente, ele manda-me passear... ahahah

5. Cueiros 
Enquanto do Vicente, foi o meu marido que não achou muita graça a ver o filho de "vestido", já da Laura, eu achava que ia usar e abusar e, na verdade, nem foram para a maternidade sequer. Eu sei que dão imenso jeito, sobretudo, para mudar a fralda, mas não me perguntem porquê, eu não usei uma única vez.

6. Vestidos
Os vestidos são lindos, as meninas ficam amorosas, mas enquanto não andarem, para mim, não dão jeito nenhum e até atrapalham. 

7. Móbil
O Vicente afeiçoou-se ao seu fiel amigo "ó-ó" e à chucha para adormecer, a Laura era comigo ou ao colo, se bem que agora estamos em fase de testes com um objecto, que espero em breve poder dizer que são os melhores amigos. 

E depois há coisas que até foram úteis, mas que usei durante pouquíssimo tempo:

1. O pano de transporte de bebé;
2. Roupa tamanho 0;
3. Ginásio/Tapete de actividades;

Coisas em que realmente vale a pena perder o amor ao nosso dinheiro:

1. Bons algodões para os primeiros meses de vida;
2. Um bom carrinho de bebé, mas que dure mais que seis meses. Não compensa investir numa coisa para depois ter que a vender a seguir para comprar um novo.
3. A cadeira auto.

Por falar nisso, só para vos avisar que vou começar a desfazer-me de algumas coisas e a espreguiçadeira/alcofa dos manos, vai ser uma delas. Se alguém estiver interessado ou conhecer alguém que precise, entre em contacto comigo. Para quem não se lembra, falei-vos dela aqui: A espreguiçadeira da Laura ↠ É maravilhosa!!!!!!!!!


Boa tarde ❤